Como é a Diabetes Infantil? O que fazer?

A diabetes mellitus tipo 1 costuma acometer crianças e adolescentes, caracterizando a Diabetes Infantil. Nela, os anticorpos atacam as células de insulina produzidas no pâncreas. Dessa forma, os níveis de açúcar no sangue aumentam demasiadamente. É uma doença autoimune que não tem cura.

Normalmente, a diabetes infantil ocorre quando a criança nasce com uma alteração no pâncreas. Assim, ele não produz insulina o suficiente, fazendo com que o açúcar não seja transportado para dentro das células e se acumule no sangue.

É necessária a aplicação de insulina diariamente. Ter um estilo de vida e uma alimentação mais saudável também contribui para o controle da diabetes. Cuidar de uma criança diabética pode ser um desafio. Mas com o esforço mínimo, é possível fazer com que ela tenha uma vida normal e saudável.

Sintomas da Diabete Infantil

criança com diabetes

Os sintomas de diabetes infantil podem ser:

  • Muita sede;
  • Urinar com bastante frequência e em grande quantidade;
  • Muita fome;
  • Perda de peso;
  • Sensação de cansaço;
  • Visão embaçada;
  • Náuseas e vômitos;
  • Desequilíbrio;
  • Dificuldade para aprender e compreender as coisas.

Se a criança apresentar algum dos sinais acima, consulte um pediatra imediatamente.

Causas

diabetes infantil causas

Não se sabe ao certo a causa da diabetes infantil. No entanto, acredita-se que ela esteja relacionada aos seguintes fatores:

  • Genética: muitos genes diferentes contribuem para o seu aparecimento, incluindo suas variações. Se existem casos de diabetes tipo 1 na família, atente-se à saúde da criança. Os riscos dela desenvolver a doença são 8% se o pai é diabético, 10% se um irmão a tiver e de 4% se a mãe tem a doença. Caso ambos os pais sejam portadores, a chance da criança nascer diabética é de 30%;
  • Ambiente: fatores ambientais atuam de maneira determinando no aparecimento da doença. Na Europa, por exemplo, há uma prevalência da doença;
  • Vírus: algumas teorias defendem que a diabetes tipo 1 é uma resposta autoimune que foi desencadeada por uma invasão viral. Isso sugere que existe uma vulnerabilidade genética para se desenvolver essa condição. Ainda assim, essa tese não é confirmada;
  • Dieta: alguns pesquisadores acreditam que a resposta autoimune é influenciada por anticorpos que aparecem contra as proteínas do leite de vaca. Os resultados, no entanto, ainda são inconclusivos;
  • Problemas pancreáticos, como trauma, pancreatite e tumores podem levar à diminuição na produção de insulina.

Qual o Valor de Referência?

Para definir os níveis de açúcar no sangue da criança, é preciso fazer um exame de glicose. Ele é o principal exame realizado para diagnosticar a diabetes. Para realizá-lo, é preciso que a criança esteja em jejum. Isso porque o consumo de qualquer alimento ou líquido pode acabar influenciando no resultado final. O tempo de jejum deve ser de 8 horas.

Com o resultado em mãos, o médico poderá avaliar a gravidade da doença. Também poderá reajustar a dieta, indicar medicamentos e a insulina, se necessário.

Os valores de referência são:

  • Normal: inferior a 99 mg/dl;
  • Pré-diabetes: entre 100 e 125 mg/dl;
  • Diabetes: superior a 126 mg/dl, com o exame realizado em dois dias diferentes.

Alimentação para Diabetes Infantil:

diabetes infantil alimentação

É muito importante que a criança com diabetes infantil tenha uma alimentação saudável e rica em fibras. Como portadora de diabetes tipo 1, nenhum alimento é proibido. Porém, o bom senso e o acompanhamento de um nutricionista são necessários.

A criança deve comer de 3 em 3 horas, lembrando-se de medir o nível glicêmico antes de todas as refeições. Não é necessário consumir apenas alimentos diet, mas as bebidas dessa versão são altamente recomendadas. O ideal é que a família inteira mude seus hábitos alimentares. Dessa forma, todos serão beneficiados e o processo não será tão difícil para a criança. Uma boa reeducação alimentar sempre é bem-vinda.

A prática de atividades físicas complementa os benefícios da alimentação saudável. É importante respeitar os horário definidos para ambas, porque isso ajuda a manter o controle do nível de glicemia no sangue, evitando episódios de hipoglicemia e hiperglicemia.

Fontes:

http://scielo.isciii.es/scielo.php?pid=S1132-12962007000300003&script=sci_arttext&tlng=pt

http://www.redalyc.org/html/2814/281421971016/

https://www.acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/2610/Disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf?sequence=1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *