Quais são os Sintomas de Diabetes? Descubra aqui

Quais os Sintomas de Pré-diabetes?

sintomas de pré-diabetes

A pré-diabetes acontece quando o corpo começa a dar sinais de que os níveis de açúcar estão começando a ficar muito elevados, assim como os níveis de insulina. Normalmente em estados de pré-diabetes, o pâncreas passa a produzir muita insulina, na tentativa de controlar os altos níveis de glicemia.

Normalmente está relacionada ao ganho de peso, à tendência familiar e genética ou ao sedentarismo. Apesar disso, a pré-diabetes não apresenta nenhum sintoma. Por vezes não é diagnosticada. O paciente portador apenas sabe da condição se fez algum exame de sangue recentemente.

Por isso o ganho de peso progressivo e o histórica familiar são alertas para a possibilidade de pré-diabetes. Caso você se identifique com algum dos fatores de risco, mantenha os exames em dia para detectar a doença a tempo.

Sintomas de Diabetes Tipo 1?

criança com diabetes tipo 1

Na diabetes tipo 1, a insulina produzida pelo pâncreas é insuficiente. O órgão perde a capacidade de produzir o hormônio por causa de um defeito do sistema imunológico. É uma doença autoimune, onde o corpo acaba atacando as células que produzem o hormônio porque não as reconhecem como se fossem próprias da pessoa. Nesse tipo, é necessária a aplicação diária de insulina.

Os sintomas que podem aparecer com a diabetes tipo 1 aparecem bruscamente, de forma rápida. São eles:

  • Vontade de urinar várias vezes ao dia;
  • Fome e sede constantes;
  • Perda de peso;
  • Fadiga;
  • Fraqueza;
  • Náuseas e vômitos;
  • Nervosismo;
  • Mudanças de humor.

Em casos mais avançados, o corpo pode começar a quebrar gordura e músculo para gerar energia, porque não consegue mais a glicose necessária. Dessa forma, são produzidos corpos cetônicos que entram na corrente sanguínea e causam desequilíbrios no organismo. Essa condição é chamada de cetoacidose diabética química. Os sintomas, nesse caso, são:

  • Pele avermelhada, quente e seca;
  • Mau hálito;
  • Perda de apetite;
  • Dor abdominal;
  • Vômitos;
  • Respiração rápida e profunda;
  • Alterações no sono;
  • Confusão ou coma.

Sintomas de Diabetes Tipo 2?

sintomas de diabetes tipo 2

No caso de diabetes tipo 2, a pessoa não pára bruscamente de produzir insulina. No entanto, ela apresenta uma resistência aos seus efeitos ou simplesmente não produz quantidade de insulina suficiente para manter um nível de glicose normal. É uma doença crônica que pode ser fatal.

A doença costuma ser assintomática, principalmente no início. Por vezes, os sintomas não aparecem por anos. No entanto, em alguns casos, os seguintes sinais podem ser percebidos:

  • Infecções frequentes, principalmente na bexiga, nos rins e na pele;
  • Feridas que demoram para cicatrizar;
  • Visão embaçada;
  • Formigamento nos pés;
  • Furúnculos;
  • Vontade constante de urinar;
  • Fome e sede constantes.

Diabetes Gestacional: quais os sinais?

grávida com diabetes

A diabetes gestacional ocorre quando há um aumento do nível de açúcar no sangue durante a gravidez de mulheres que nunca tinham tido a doença antes. Normalmente, ela aparece no terceiro trimestre da gestação. Cerca de 7% das mulheres apresentam o problema, o que pode facilitar o desenvolvimento da diabetes tipo 2 cerca de 10 a 20 anos após a gravidez.

Mesmo que a diabetes gestacional se cure sozinha em pouco tempo depois do parto, ela precisa ser tratada para evitar complicações.

Os sintomas são silenciosos, visto que podem ser facilmente confundidos com as sensações que a gestante sente durante o período da gravidez. As taxas de açúcar no sangue elevadas são os sinais mas claros, mas precisam de acompanhamento médico para serem detectados. Outros sintomas da diabetes gestacional são:

  • Excesso de sede e de fome;
  • Ganho de peso exagerado, tanto da mãe quanto do bebê;
  • Urgência ao urinar;
  • Fadiga;
  • Inchaço nos pés e nas pernas;
  • Visão turva e embaçada;
  • Candidíase e infecções urinárias frequentes.

A diabetes gestacional deve ser controlada porque pode acabar gerando vários riscos para a mãe e para o bebê. Dois terços do açúcar presente na corrente sanguínea da mãe chegam ao bebê porque atravessam a placenta, fazendo com que seu pâncreas produza mais níveis de insulina do que deveria.

A insulina tem propriedades anabolizantes, e pode fazer com que o bebê cresça mais do que deveria dentro do útero. Outros órgãos e tecidos também crescem, correndo o risco de gerar malformações nas estruturas viscerais do feto.

Essas alterações podem acabar trazendo risco de vida para o bebê. Por isso, é muito importante que a gestante tenha um diagnóstico correto e receba o tratamento adequado para seu caso.

Fontes:

https://www.ingentaconnect.com/content/doaj/01044230/2001/00000047/00000002/art00056

http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S0870-82312003000200005&script=sci_arttext&tlng=en

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572012000100004&script=sci_arttext

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *